Risk in Context

Covid-19 - Mudança do consumo no setor financeiro para digital

Posted by Rodrigo Nagase Maio 28, 2020

As medidas de distanciamento social destinadas a retardar a propagação da pandemia da covid-19 levaram a restrições de acesso nas agências bancárias em todo o país, com muitas delas fechando temporariamente. Os clientes também estão sendo mais exigentes quando se trata de interações pessoais. Um estudo recente constatou que 72% dos brasileiros seguem as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo que 54% afirmaram que só deixam seu lar quando é inevitável, por exemplo, para compra comida. 18% disseram estar totalmente isolados, sem sair em qualquer hipótese.

A atual crise de saúde pública acelerou a mudança do consumo no setor financeiro para digital e, embora muitos consumidores brasileiros retornem às agências bancárias assim que as medidas de distanciamento social forem flexibilizadas, o uso das facilidades tecnológicas continuará crescendo – aumentando os riscos para os bancos.

Riscos crescentes

Para fornecer aos clientes serviços digitais rápidos e confiáveis, os bancos necessitam ferramentas digitais eficazes - e valiosas - que podem ser construídas internamente ou adquiridas por meio de parceiros de tecnologia. Os bancos têm investido em tecnologia financeira, considerando seus novos concorrentes (bancos digitais).

Também podemos notar essa tendência para o setor considerando a nova resolução publicada pelo Banco Central relacionada ao open banking.

Considerando a alteração no perfil dos consumidores, os bancos devem continuar investindo em propriedade intelectual para gerar vantagens competitivas na prestação de serviços digitais, o que aumenta a exposição diante dos riscos cibernéticos.

Necessidades de seguro em evolução

Paralelamente, os gerentes de risco devem considerar os crescentes riscos cibernéticos. Os bancos contratam, historicamente, seguros para proteger ativos tradicionais e seus diretores. A indústria vem cada vez mais se sensibilizando em relação aos riscos relacionados ao aumento da exposição eletrônica das instituições.

À medida que as instituições financeiras continuam investindo em estratégias digitais e se adequando ao open banking, elas precisam se proteger efetivamente, reavaliando seus riscos, quantificando custos associados e explorando soluções eficazes de transferências de risco.

Temas relacionados:  Brazil

Rodrigo Nagase